" Viver é a coisa mais rara do mundo, a maioria das pessoas apenas existe."

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Simplesmente ser gente.



Cansa ser de ferro. Cansa ser forte. Cansa ser compreensivo, paciente, amigo. Cansa mesmo ser gente. Porque ser gente custa caro pra alma. Quanto maior a doação, mais gente você se torna; e quanto mais gente, mais abandonado. De fora, as pessoas enxergam a fortaleza que forjaram ao seu redor, esquecendo-se de tudo que se lança mão para amparar o outro as vezes. Porque ninguém é forte o tempo todo, muito menos nos momentos de fraqueza alheia. Mas uma vez forte, corajoso, os olhos ao redor criam um escudo à sua volta que, embora seja lisonjeiro, não é tão real. Você se torna tão autossuficiente diante dos demais que perde o direito de sentir-se como eles. E ser sobrenatural dói. Mas por incrível que pareça, quanto mais se preocupa com os outros, mais mortal se torna. Pena que ninguém nota isso. E quanto mais mortal, mais dores sente, mais carências, mais solidão, mais necessidade de aconchego, compreensão. Mas a falsa casca da valentia recobre tudo isso, e ninguém ousa tocá-la, parece aço. Mal sabem! É uma casca de ovo, um vidro fininho. Então, sem colo, sem abraço, vão acumulando-se os sentimentos mais bobos, mais infantis, todas as inseguranças, até que a vida passe e te ensine a curar suas próprias feridas, em silêncio, isoladamente, sem a chance de ser simplesmente gente - ainda mais frágil e necessitado do que todos aqueles a quem amparou.